Sexo, o assunto mais procurado na internet

Posted on Jun 26 2012 - 12:34pm by cristina.castillo@pannacottagroup.com

Pornografia no computador via internet

Nunca o sexo foi tão exposto como na internet. Além de ser o conteúdo mais procurado da rede, a pornografia representa cerca de 30% de todos os dados presentes na web, algumas questões relativas a toda essa gama de conteúdo são a exposição de menores a esse conteúdo, principalmente quando se trata de pedofilia, que deve ser amplamente combatida. Outra questão a ser levantada é do tempo que muitas pessoas passam em frente ao computador expostos a pornografia. O que pode não ser saudável se for muito prolongado.

Computador: Sexo é o assunto mais procurado na internet

Sexo é o assunto mais procurado na internet

Bilhões de visualizações mensais

Muita gente vê com maus olhos a pornografia, não só pela degradação do sexo como pela quantidade de conteúdo e exposição prolongada, o que pode interferir nos relacionamentos reais, para se ter uma ideia, o internautas que vêem o sexo pela tela do computador passam em média de 15 a 20 minutos, enquanto os sites normais recebem cerca de de 3 a 6 minutos de atenção dos internautas. É um tempo que chega a ser cinco vezes maior.

Os três sites de maior conteúdo erótico e pornográfico somam juntos cerca de 8 bilhões de visualizações por mês, o maior deles, tem mais de 4 bilhões de acessos mensais, um fluxo de pessoas somente menor que algumas redes sociais e o Youtube, que não permite conteúdo de cunho sexual. A maioria dos sites que exibem sexo armazenam de 50 a 250 Terabites de material, um número grande e que só tende a aumentar, isso devido aos vários internautas que geram esse tipo de conteúdo, os chamados “voyeurs” se exibem na rede, muitas vezes de forma anônima e cada vez mais rotineira.

Internet: Sexo online, é cada vez mais comum

Sexo online, é cada vez mais comum

Estudos indicam que sexo é o assunto mais procurado na internet

Estudos indicam que pornografia é o assunto mais procurado na internet

Computador: Internautas passam 5 vezes mais tempo em sites sobre sexo

Internautas passam 5 vezes mais tempo em sites sobre sexo